segunda-feira, 29 de março de 2010

Considero-me pouco racionalista, demasiado emotiva, perdida nos instintos.

sexta-feira, 26 de março de 2010

O meu guarda-chuva

Vou descendo a rua
Acendo um cigarro e atraveço uma ponte
Os pés estão doridos sobre os saltos altos
Caem gotas de chuva
Cheira a primavera
E eu só desejo encontrar-te no outro lado
Lisboa à noite tem muita magia
A noite torna as ruas mais bonitas
O tom amarelado das luzes dos cadeeiros
Os cheiros dos perfumes das pessoas mistura-se
O som das vozes, das cadeiras que se arrastam, e as músicas de fundo...
Ao fundo da rua ouço o fado da minha alegria forçada
Doem-me os pés
Não aguento mais
Amanhã quero sol
Amanhã quero andar sem destino
Não voltarei a atravessar a ponte novamente
Acendo mais um cigarro
Está na minha hora...